top of page
Buscar

Caçador de Almas - Soul Hunter

Atualizado: 30 de ago. de 2023

Histórias da Fotografia de Almas pelo olhar e palavras de um nómada recoletor de Retratos. Stories of Soul Photography through the Eyes and Words of a Nomadic Portrait Gatherer.


Sejam bem-vindos! Welcome!


Aqui vou falar de fotografia, especialmente da de almas. Também da vida quotidiana com ênfase nas histórias que recolho (ou que já guardei) associadas a tantos retratos que na rua encontro. Ainda sobre o que se me aflorar ao espírito desde que suficientemente interessante ou relevante para merecer ser partilhado convosco.

Fui jornalista durante doze anos. Copywriter durante outros tantos. Conheci protagonistas de histórias de vida riquíssimas. Surpreendentes. Únicas. Recolhi-as com um papel e uma caneta. Outras vezes, com um gravador, fosse ele de fita ou tão só feito de células de memória. Transcrevi-as. Publiquei-as. Umas quantas ficaram comigo e com os seus autores, apegadas à pele e à alma sem qualquer transcrição física de partilha ou que tenha permitido leitura alheia. Talvez as tenha tomado para mim. Talvez tenha sido tomado por elas. De forma menos hesitante sinto que parte dessas histórias fazem agora parte da minha vida, da minha experiência, como se tivesse vivido na primeira pessoa o que apenas através dos olhos de terceiros algumas vezes fiz.

Em 2019, comecei a fazer retratos de rua. Apaixonei-me desde então e em crescendo por “caçar almas”, por recolher fotograficamente rostos que contam histórias. Um bom retrato nunca se deixa amordaçar por um suporte estático, pelo contrário: tem movimento e entra em diálogo com cada um que o observe com atenção, de ser humano para ser humano, olhos nos olhos, descaradamente, sem palavras proibidas ou temores.

A minha paixão por fotografia, tal como as que desde sempre sinto por desenhar, pintar, tocar ou escrever, vem de criança. E quanto mais a consumo mais ela de mim se alimenta. Tem corpo de vício, canto de sereia e roupagem de crescente dependência. E ao fazer uma retrospetiva, não consigo deixar de pensar: O que têm em comum os retratos com alma, no meu presente, e o jornalismo, no meu passado? O que sobre mim revelam? Uma única e mesmíssima característica: a de que sou terrível e inveteradamente fascinado por uma boa história! Obrigado por me acompanharem nesta jornada que espero que vos inspire e, nessa medida, mereça a vossa atenção. Participem, comentem e proponham temas. Este não é apenas o espaço de um nómada recolector de imagens e de histórias, a quem já chamaram “caçador de almas”, é ele também o vosso espaço. Dele tirem proveito sem pudor. Here, I will discuss photography, particularly soulful photography. I'll also delve into everyday life, emphasizing the stories I gather (or have already collected) linked to the numerous portraits I encounter on the streets. I'll also touch on whatever comes to my mind, as long as it's intriguing or significant enough to be shared with you.

For twelve years, I was a journalist. For another twelve, I was a copywriter. I encountered protagonists of incredibly rich life stories—surprising and unique. I gathered them with pen and paper. At times, with a recorder, whether it was tape-based or simply made of memory cells. I transcribed them. Published them. Some remained with me and their authors, clinging to our skin and souls without any physical transcription for sharing or allowing external reading. Perhaps I took them for myself. Perhaps they took hold of me. More confidently, I feel that a part of these stories now resides within my life, my experience, as if I lived them firsthand, even though I often merely perceived them through the eyes of others.

In 2019, I began capturing street portraits. Since then, my passion for "hunting souls" and photographically gathering faces that tell stories has grown steadily. A good portrait never allows itself to be muzzled by a static medium; quite the opposite. It carries movement and engages in a dialogue with each person who gazes upon it attentively, from human to human, eyes to eyes, unabashedly, free from forbidden words or fears.

My passion for photography, much like the ones I've always felt for drawing, painting, playing music, or writing, dates back to my childhood. And the more I indulge in it, the more it nourishes me. It has the body of an addiction, the allure of a siren's song, and the attire of a growing dependency. Looking back, I can't help but wonder: What do soulful portraits, in my present, have in common with journalism, in my past? What do they reveal about me? A single, unchanging characteristic: that I am terribly and incurably captivated by a good story!

Thank you for joining me on this journey, which I hope will inspire you and, in that regard, capture your attention. Engage, comment, and suggest topics. This isn't just the realm of a nomadic collector of images and stories, someone who's been dubbed a "soul hunter"; it's also your realm. Make the most of it without hesitation. Nuno Duarte.

38 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page